Afetividade sem abraço?

No momento atual muito se fala sobre o “não toque”, e algumas invenções de novos cumprimentos tiveram seu momento, sem muito sucesso...

Há mais de 16 anos trabalho em um hospital especialista em câncer infantil. As crianças com a imunidade comprometida devido ao tratamento, me ensinaram, de maneira prática, artimanhas para a manutenção da afetividade sem o toque:

  • Elogiar excessivamente,

  • Sorrir com os dentes ou mesmo com os olhos,

  • Estar asseado e bem apessoado,

  • Ser receptivo ao ouvir,

  • Presentear com comida, atenção e gentilezas,

  • Compartilhar otimismo e confiança,

  • Estar disponível...

Há pouco tempo me atrevi a escrever, ou traduzir alguns assuntos sobre Mercado Financeiro, e vejo que cuidar financeiramente de si e de sua família, também é uma demonstração de afeto sem abraço.

Quando o assunto é Planejamento Sucessório, um grande asco é gerado e este assunto torna-se velado. No entanto, ao nos preparar para a nossa partida, estamos mantendo nosso cuidado familiar. Isso é a preservação do amor, do zelo, do carinho...

Nossa existência se fundamenta em muitas experiências planejadas. Mas, falar de morte dói e deixar planejada a despedida é no mínimo estranho...

Apesar disso, quando penso que deixarei minha família protegida em caso de minha falta, um conforto estranho se sobrepõe a esquisitice do assunto.

Conversar sobre morte, inicialmente pode causar grande antipatia ao assunto, mas abrindo a mente e o coração é possível entender que Seguro de Vida, Previdência Privada e Planejamento Sucessório são opções necessárias para a proteção de sua família.


Converse com seu Assessor Financeiro. Ele lhe proporá soluções seguras.

58 visualizações