O que deixarei para meus filhos?

Atualizado: Set 2


HERANÇA é tudo aquilo que se deixa de forma sucessória por alguém, após sua partida para um outro plano (não gosto da palavra morte...). Assunto muito polêmico e que resulta em muitas brigas familiares.


Falar de herança gera um sentimento ambíguo... Como ficaremos felizes com um presente inesperado, mediante o falecimento de uma pessoa querida?... De que maneira permanecer contente?


Observando a experiência de algumas pessoas, desenhei um "Plano Financeiro Materno", pensando em presentear minha filha, não em minha despedida, mas sim em momentos importantes de sua vida.


Admirei a atitude de algumas pessoas e queria fazer igual! Elas anteciparam a tal herança, presenteando seus filhos com quantias generosas ou bens materiais, em momentos como casamentos, formaturas ou simplesmente repassando em vida parte de suas conquistas financeiras.


Imagina você ser contemplado com algo deste nível logo no início de sua vida pessoal ou profissional? Ficava me imaginando um dia poder fazer isso pela minha filha. Seria um sonho! Só que não! Já explico... rs


Temos a tendência quase espontânea de poupar nossos filhos e dar a eles tudo aquilo que nos foi negado ou conquistado com extrema dificuldade. Nesta linha meu "Plano Financeiro Materno" seria o seguinte: aos 18 anos daria a minha filha um carro e ao final de sua graduação um grande incentivo financeiro, para a compra de seu primeiro imóvel! Me sentia orgulhosa nesse pensamento, mesmo que a parte prática (financeira) estivesse bem distante para isso tudo.


Atualmente, em minha visão, TUDO ERRADO!


Recentemente me dei conta de dois (por enquanto) dos maiores erros que eu poderia cometer: financeiro e emocional.


Primeiro erro: FINANCEIRO


Durante décadas muitas pessoas conseguiram aumentar seu patrimônio financeiro por meio da compra, venda e aluguel de imóveis comerciais e residenciais. Mesmo antes da pandemia atual, o mercado imobiliário teve suas crises como a "bolha imobiliária" que acometeu diversos países, incluindo o Brasil (Claro! Tudo respinga aqui...).


A partir daí o mercado imobiliário dá constantes sinais de crises (vários motivos... preguiça de falar disso... pergunte para o especialista... #Oderson). Tudo isso, somado a crise mundial pandêmica, resultou no desinvestimento do setor. Mais uma contribuição negativa a isso é o modelo de trabalho vigente: Home office. Atual estilo adotado permanentemente por muitas empresas. Não preciso ser expert dos investimentos para dizer que locação de salas comerciais ou lajes corporativas, não são mais uma maneira trivial de se ganhar dinheiro...


Os imóveis residenciais também sofreram com o mal momento. E adicionando mais um ponto contra... A próxima geração é nômade e não tem a preocupação que nossos pais tiveram. O objetivo de vida das gerações passadas era quitar a casa própria e aposentar no mesmo emprego que conquistou na juventude.


A juventude atual (My God! Não acredito que estou falando juventude!!!!) é do mundo, querem morar próximo ao trabalho, seja por uma visão ecológica ou prática, e mudam de emprego com muita facilidade, são voláteis, seguros e rápidos nas decisões.... Neste caso a tão sonhada casa própria virou um obstáculo para as novas oportunidades profissionais e pessoais... (essa parte deixo para os especialistas de assuntos afetivos... rs).


No mercado imobiliário residencial a tendência crescente é: alugar! Isso era um pensamento extremamente contraintuitivo para mim! Mas, o mercado financeiro é contraintuitivo!!


Demorei anos para entender essa estratégia... financeiramente, por vezes, vale mais você pagar o aluguel, a ter sua casa própria, especialmente se realizar financiamento. Não sei explicar isso matematicamente (pergunta pra ele: #Oderson), mas reconheço que faz sentido...!


Pensando racionalmente... meu "Plano Financeiro Materno" já era! Aplique as regras acima para a compra de um carro... a conclusão será a mesma: aluguel.


Segundo erro: EMOCIONAL


Ao proteger nossos filhos das mazelas da vida, ou daquilo que não nos fez felizes, deixamos de lado a grande oportunidade deles aprenderem a viver! As intempéries de nossa existência nos move e nos torna pessoas mais fortes. Somos o que somos graças ao que passamos. E certamente se tivéssemos tido muitas descomplicações, não chegaríamos onde chegamos.


Então filha, o que deixarei para você é: não se preocupe com a mamãe, eu ficarei bem! Meu amor por você é infinito! Você sempre saberá onde encontrar seu porto seguro! 

Voe filha, o mundo é seu! Bata as suas asas com muita força e caminhe com os seus próprios pés! Essa satisfação não tem preço! Você é capaz de conquistar tudo aquilo que sonhar!


Te amo filha!



Você estando bem, o seu filho é livre para voar!


Saiba mais sobre Previdência Privada e Seguro de Vida.




Fontes inspiradoras:


  • Amyr Klink - navegador brasileiro

Assista: https://youtu.be/Sha5Yy-THN4



  • Luna Mello


271 visualizações1 comentário