Sobre as operações de câmbio do Banco Central do Brasil

Atualizado: Ago 3


O swap (troca em inglês) é um contrato de derivativo. Nele o BC se compromete a pagar a variação cambial (o quanto a relação real/dólar variou), e recebe da outra parte (empresa ou investidor) a rentabilidade da taxa básica de juros no mesmo período.


Assim, com o swap um investidor pode ficar protegido caso a cotação do dólar aumente, mas tem que pagar uma taxa de juros (a Selic no caso) para o BC.


Podemos dizer que a compra de swaps pelo BC funciona como uma injeção de dólares no mercado futuro.


Já no caso do swap reverso, o que ocorre é exatamente o contrário. É como se o BC estivesse comprando dólares no futuro e tem o objetivo de conter a valorização do real (queda do dólar).

Independente do mecanismo utilizado, o objetivo do BC nas operações é dar liquidez e conter picos de valorização ou desvalorização.

Quando acontece uma valorização frequente e intensa do real, os produtos brasileiros ficam muito caros para os outros países, o que prejudica as exportações, e a tendência é o BC atuar para desvalorizar o real.

Já se os picos de desvalorização do real ocorrem por muito tempo e a reserva do país está baixa, e o BC continua fazendo operações para tentar controlar as cotações, tentando manter o poder de compra do real, o risco de o país quebrar aumenta muito.





15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo